Seguidores

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Resultados do teste de DNA: os crânios de Paracas não são humanos


A península do deserto de Paracas está localizada na costa sul de um dos países mais enigmáticos da América do Sul: Peru. Está lá, nesta paisagem estéril, onde o arqueólogo peruano Julio Tello fez uma das descobertas mais misteriosas em 1928. Durante as escavações, Tello descobriu um complexo e sofisticado cemitério sob o duro solo do deserto de Paracas.


Nos túmulos enigmáticos, Tello descobriu um conjunto de restos humanos controversos que mudariam para sempre como olhamos para o nosso antepassado e nossas origens. Os corpos nos túmulos tinham alguns dos maiores crânios alongados já descobertos no planeta, chamados de crânios de Paracas. O arqueólogo peruano descobriu mais de 300 crânios misteriosos que se acredita ter pelo menos cerca de 3000 anos de idade.



Como se a forma dos crânios não fosse suficientemente misteriosa, uma recente análise de DNA realizada em alguns dos crânios apresentou alguns dos resultados mais enigmáticos e incríveis que desafiam tudo o que sabemos sobre a origem e a árvore evolutiva humana.

Deformação do crânio: uma antiga prática religiosa
Enquanto várias culturas ao redor do globo praticam a deformação do crânio (alongamento), as técnicas utilizadas foram diferentes, o que significa que os resultados também não eram os mesmos. Existem certas tribos sul-americanas que costumavam "vincular crânios infantis" para mudar sua forma, resultando em uma forma craniana drasticamente alongada que se assemelhava a qualquer coisa, exceto humanos comuns. Ao aplicar uma pressão constante durante um longo período de tempo com o uso de pedaços de humor, as tribos antigas conseguiriam uma deformação craniana que também pode ser encontrada em culturas antigas da África. No entanto, enquanto este tipo de deformação craniana alterou a forma do crânio, não alterou o tamanho, peso ou volume craniano, todos os quais são traços característicos de crânios humanos comuns.


É aqui que os detalhes sobre os calcanhares de Paracas são interessantes. Os crânios de Paracas são tudo menos comuns. O crânio dos calcanhares de Paracas é menos 25% maior e até 60% mais pesado do que os crânios de seres humanos comuns. Os pesquisadores acreditam firmemente que esses traços não poderiam ter sido alcançados através de ligações de cabeça, como sugerem alguns cientistas. Não só eles são diferentes em peso, os crânios de Paracas também são estruturalmente diferentes e têm apenas uma placa parietal enquanto os humanos comuns têm dois.

Essas características estranhas aprofundaram ainda mais o mistério de dezenas de décadas que cercam os crânios de Paracas e os pesquisadores ainda não tem idéia do que eram no passado.

Ensaios adicionais
O diretor do Museu de História de Paracas enviou cinco amostras dos crânios de Paracas para serem submetidos a testes genéticos, e os resultados foram fascinantes. As amostras que consistiam em cabelos, dentes de pele e alguns fragmentos de ossos cranianos deram detalhes incríveis que alimentaram o mistério em torno desses crânios anômalos. O laboratório genético para onde as amostras foram enviadas não foi informado sobre a origem dos crânios, a fim de evitar "resultados influenciados".

Curiosamente, o DNA mitocondrial, que é herdado da mãe, mostrou mutações desconhecidas para qualquer homem, primata ou animal encontrado no planeta Terra. As mutações presentes nas amostras dos crânios de Paracas sugerem que os pesquisadores estavam lidando com um "ser humano" completamente novo, muito diferente do Homo sapiens, Neanderthals ou Denisovans.

Brien Foerster relatou o seguinte sobre as descobertas do geneticista:

Ele tinha mtDNA (DNA mitocondrial) com mutações desconhecidas em qualquer humano, primata ou animal conhecido até agora. Mas alguns fragmentos que eu consegui meqüir desta amostra indicam que, se essas mutações se mantiverem, estamos lidando com uma nova criatura humana, muito distante de Homo sapiens, Neanderthals e Denisovans.


De acordo com relatos, os indivíduos dos crânios de Paracas eram tão biologicamente diferentes que teria sido impossível para os humanos e eles "se cruzariam". "Não tenho certeza de que ele se encaixe na árvore evolutiva conhecida", escreveu o geneticista.



Quem eram esses seres misteriosos? Eles evoluíram separadamente na Terra? O que os levou a ter diferenças tão drásticas com os humanos comuns? E é possível que esses seres não sejam realmente da Terra? Todas essas possibilidades são teorias que não podem ser anuladas, dado os testes atuais. A única coisa que sabemos até agora é que existem muitas coisas que vão além da compreensão de pesquisadores, historiadores e cientistas. É possível que, afinal, a questão de saber se estamos sozinhos no universo pode ser respondida graças aos crânios de Paracas.

Fonte
Curta Nossa Página no Facebook
Sua partilha é muito importante e nos ajuda a continuar criando conteúdo. COMPARTILHE! Clica logo ali mais abaixo. Obrigado!

Um comentário:

Curta nossa Página...
Visite nosso parceiro:
Conheça nosso Parceiro: UNIVERSO CÉTICO