Seguidores

segunda-feira, 31 de julho de 2017

Cientista acabaram de provar falso um evento histórico da Bíblia


O líder ateu Richard Dawkins define o Deus do Antigo Testamento como “um limpador étnico vingativo e sedento de sangue … um genocida … agressor megalomaníaco, sadomasoquista, caprichoso e malévolo”. Embora sejam palavras pesadas, é fato que o Deus do Antigo Testamento da Bíblia costumava ser no mínimo pouco paciente com seus desafetos.



Segundo a Bíblia, Deus teria ordenado aos israelitas que matassem os cananeus, aparentemente pecadores, dizendo: “Não deixará vivo nada que respire. Mas você deve destruí-los completamente”. E, de acordo com a Bíblia, eles fizeram exatamente isso.

No entanto, um novo estudo genético descobriu que os cananeus na verdade conseguiram sobreviver a essa purga de sua pátria tradicional, passando seu DNA ao longo dos séculos para seus numerosos descendentes no Líbano moderno.

Os cientistas conseguiram extrair DNA suficiente dos restos mortais de cinco pessoas – encontradas no antigo estado da cidade cananita de Sidon e datados de cerca de 3.700 anos atrás – para sequenciar todo o seu genoma.


Em seguida, compararam os dados com 99 libaneses modernos e descobriram que eles herdaram cerca de 90% de sua ascendência genética de seus antigos ancestrais.

Um artigo sobre o estudo no American Journal of Human Genetics diz que há “incertezas” sobre o destino dos cananeus. “A Bíblia relata a destruição das cidades dos cananeus e a aniquilação de seu povo. Se fosse verdade, os cananeus não poderiam ter contribuído genética e diretamente para as populações atuais”, escreveram os pesquisadores.


“No entanto, nenhuma evidência arqueológica até agora foi encontrada para apoiar a destruição generalizada de cidades cananéias entre as épocas de Bronze e Ferro: as cidades da costa do Levante, como Sidon e Tire, mostram a continuidade da ocupação até o presente. Mostramos que os libaneses atuais obtêm a maior parte da sua ascendência de uma população relacionada a Cananeia, o que implica uma substancial continuidade genética no Levante desde pelo menos a Idade do Bronze”, garantem.

O grau de proximidade genética entre os cananeus antigos e o povo libanês moderno foi uma surpresa, já que a área foi repetidamente combatida e conquistada por vários grupos diferentes ao longo da história – alguns deles deixando traços genéticos que sobrevivem até hoje.



“Os libaneses atuais provavelmente são descendentes diretos dos cananeus, mas eles também têm uma pequena proporção de ascendência euro-asiática que pode ter chegado via conquistas por populações distantes, como os assírios, persas ou macedônios”, explica um dos pesquisadores, o Dr. Marc Haber, do Instituto Wellcome Trust Sanger.

Ele acrescenta que foi uma “agradável surpresa” poder extrair e analisar DNA de restos humanos com quase 4.000 anos de idade, particularmente em um ambiente quente, como o que eles foram encontrados.

Sodoma e Gomorra

Os cananeus são veementemente condenados no Antigo Testamento – eles eram os habitantes de Sodoma e Gomorra, duas cidades destruídas com fogo e enxofre diretamente por Deus, de acordo com o Livro de Gênesis.
Enquanto a Bíblia diz que eles foram exterminados pelos israelitas sob Josué na terra de Canaã, passagens posteriores sugerem que havia pelo menos alguns sobreviventes. Alguns estudiosos bíblicos argumentam que as passagens são uma hipérbole, mas a pesquisa genética parece indicar que o abate foi muito menos extenso do que o descrito.

Também conhecidos como fenícios, os cananeus provaram ser excelentes comerciantes marítimos e estabeleceram colônias no Mediterrâneo.


Eles também são creditados com a invenção do primeiro alfabeto, embora, ironicamente, poucos registros escritos tenham sobrevivido ao passar do tempo, então as histórias que os descrevem em grande parte vêm de inimigos e rivais, como os israelitas, os egípcios e os gregos.

Os pesquisadores disseram esperar que as técnicas genéticas pudessem ajudar a esclarecer a história da região. “Pela primeira vez, temos evidências genéticas para uma continuidade substancial na região, desde a população cananéia da Idade do Bronze até os dias de hoje. Estes resultados concordam com a continuidade vista pelos arqueólogos. As colaborações entre arqueólogos e geneticistas enriquecem muito os dois campos de estudo e podem responder questões sobre ancestrais de forma que os especialistas em nenhum campo podem responder sozinhos”, comemora o Dr. Claude Doumet-Serhal, co-autor do artigo e diretor do sítio de escavação de Sídon, no Líbano. [Independent]

Fonte
Curta Nossa Página no Facebook
Sua partilha é muito importante e nos ajuda a continuar criando conteúdo. COMPARTILHE! Clica logo ali mais abaixo. Obrigado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Curta nossa Página...
Visite nosso parceiro:
Conheça nosso Parceiro: UNIVERSO CÉTICO