Seguidores

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Conheça a história da múmia de papel machê que fez todo mundo de bobo


Nos Estados Unidos, um órgão público manteve em seu museu por mais de 40 anos uma múmia egípcia acreditando ser original, porém o objeto era apenas um boneco feito com papel machê e ossos de animais em uma armação de madeira.


O caso aconteceu no Mississippi Department of Archives and History, órgão responsável por coletar e preservar arquivos históricos e organizar museus e registros do governo do estado. No começo de 1920, foi doado uma grande quantidade de artefatos antigos, como múmias. Os itens foram expostos até 1967 sem qualquer tipo de desconfiança.




Certo dia, Gentry Yeatman, um estudante de Medicina, pediu para analisar a múmia de perto para um projeto da universidade. O estudo comprovou que o órgão foi vítima de falsificação.

Artefatos arqueológicos de Mississipi foram falsificados e repassados há tempos. As peças são tão bem-feitas que muitos especialistas se confundem durante a análise.




Segundo relatos, o primeiro indício de que a múmia não era verdadeira eram os pedaços de jornal que estavam se desprendendo de suas costas. Intrigado, o estudante resolveu fazer um raio-X, descobrindo que o artefato tinha sido construído em uma estrutura de madeira fixada com pregos e coberta por papel machê.


No interior da múmia haviam mais pregos, pedaços de jornal datados de 1898 – com escritos alemães – e ossos de animais. Através deste estudo, se pôde comprovar que algumas múmias tinham sido produzidas na Alemanha entre o final do século 19 e o início do século passado.

Após a descoberta, a múmia foi chamada de “Dummy Mummy” – ou “múmia-boneco”. Porém, a peça fica em exposição no museu em pelo menos um dia de outubro ao ano, quando Mississipi celebra a feira tradicional “State Fair”.

KnowledgeNuts ] [ Fotos: Reprodução / KnowledgeNuts ]




COMPARTILHE! Clica logo ali mais abaixo. Obrigado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Curta nossa Página...
Visite nosso parceiro:
Conheça nosso Parceiro: UNIVERSO CÉTICO