Seguidores

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Na greve da PM no Espírito Santo, loja de arma é a única aberta em bairro

Mesmo para a loja especializada em artigos de defesa pessoal as vendas estão baixas pelo fato de a população temer sair de casa

Comércio fechado e ruas vazias em Vitória desde sábado, com a paralisação da Polícia Militar. Foto Tânia Rêgo/Agência Brasil

A falta de transporte público e o medo da violência causados pela greve da Polícia Militar do Espírito Santo afetaram muito o comércio da grande Vitória. Desde o início da semana, poucas lojas arriscaram abrir as portas. Além da ameaça de assaltos e saques, as pessoas não conseguem chegar aos locais de trabalho. Assim, quase ninguém compra ou vende alguma coisa na região metropolitana.
Em Vila Velha, uma única loja estava aberta quinta-feira (9), em um raio de três quarteirões. O estabelecimento é especializado em armas, artigos de defesa pessoal e vestuário para agentes e seguranças.

Cinco vendedoras e um segurança trabalhavam na loja por volta do meio-dia. A responsável pelo estabelecimento estava sorridente. Mas era apenas cortesia. No meio do caos, as vendas estão ruins até mesmo para quem comercializa material para segurança pessoal. No momento em que a reportagem esteve no local, apenas uma senhora idosa e o filho dela olhavam algumas camisetas.
“Nosso movimento caiu muito desde a semana passada”, afirmou a gerente, que se recusou a dar o nome. “Já tive problemas no passado por causa disso”, declarou.
Ela contou que mantém a loja aberta por estes dias porque, apesar da paralisação dos policiais militares, consegue se sentir segura. “As pessoas até ligam para cá perguntando sobre armas ou coisas do tipo, mas são muito poucas as que acabam vindo até a loja por causa do medo”, lamentou a gerente.
A responsável pela loja lembrou, contudo, que pouca gente conseguiria comprar algo mais poderoso para se defender do que um spray de gengibre, que causa irritação nos olhos. “Nem mesmo spray de pimenta é permitido vender sem autorização”, ressaltou.

Solidariedade

Em Cachoeiro de Macacu, o dono de uma vidraçaria se comoveu com a situação dos comerciantes da cidade que tiveram seus estabelecimentos destruídos e ofereceu a recuperação das vitrines a preço de custo. “O que vimos foram cenas de terrorismo. As pessoas perderam loja, perderam tudo. O que não conseguiram carregar, quebraram”, afirmou Guilherme Freitas Teixeira, da Vidraçaria Teixeira. Com a promoção, os comerciantes economizariam entre 40% e 60% do custo.
A Federação do Comércio do Estado informou que pelo menos 300 lojas já foram saqueadas, arrombadas ou sofreram depredação. O prejuízo é de R$ 25 milhões. Comerciantes perderam ainda pelo menos R$ 180 milhões por manterem os estabelecimentos fechados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Curta nossa Página...
Visite nosso parceiro:
Conheça nosso Parceiro: UNIVERSO CÉTICO